Quem foi João da Bahia?

Quem foi João da Bahia?

João Machado Guedes, também conhecido como João da Baiana (17 de maio de 1887 – 12 de janeiro de 1974), foi um popular compositor, cantor, dançarino e instrumentista brasileiro.
Filho de Félix José Guedes e Perciliana Maria Constança, é o caçula e único carioca de 12 irmãos da família baiana. O nome João da Baiana vem de sua mãe ser chamada de “Baiana”.

Cresceu na Rua Senador Pompeu, no bairro Cidade Nova do Rio de Janeiro, amigo de infância de Donga e Heitor dos Prazeres.

Quando criança, participou de bailes de samba e macumba realizados secretamente em terreiros do Rio de Janeiro. Participou de grupos de rave e foi considerado um introdutor do pandeiro de samba. Teve empregos longos e fixos não ligados à música, recusando-se a viajar com Pixinguinha e Oito Batutas em 1922 por medo de perder o cargo de inspetor naval. A partir de 1923, começou a compor e gravar músicas em programas de rádio, sendo contratado como percussionista em 1928. Além do pandeiro, sua especialidade eram pratos e facas, que eram populares nos discos da época.

Algumas de suas obras na época foram “Pelo Amor da Mulata”, “Mulher Cruel”, “Pedindo Vingança” e “O Futuro É uma Caveira”.

Foi integrante de alguns grupos de samba profissionais pioneiros, como Conjunto dos Moles, Grupo do Louro, Grupo da Guarda Velha e Diabos do Céu.

Em 1940 participou da famosa gravação organizada por Heitor Villa-Lobos no navio “Uruguai”, gravando sua música “Ke-ke-re-ké” para o álbum “Native Brazil Music” do mestre Leopold Stokowski.

Na década de 1950 voltou a atuar no Grupo da Velha Guarda organizado pelo Almirante e continuou a compor até a década de 1970.

Em 1968 gravou com Pixinguinha e Clementina de Jesus o histórico LP “Gente da Antiga”, produzido por Hermínio Bello de Carvalho, no qual lançou os ancestrais “Cabide de Molambo” e “Batuque na Cozinha”, entre outros, que posteriormente recriado – Gravado por Martinho da Village.

Hoje, alguns objetos do músico estão no acervo do Museu da Imagem do Rio de Janeiro (www.mis.rj.gov.br). Entre eles estão o prato e a faca de João da Baiana (Coleção Almirante), as ferramentas que o consagraram.

Ele tem um filho Neoci, que faz parte do grupo Fundo de Quintal.

Veja Também